.

sexta-feira, 1 de junho de 2012

O gênio e as rosas


Todos conhecemos muitas histórias e piadas de gênios da lâmpada. Essa é uma parábola interessante sobre um gênio extravagante.

Em uma casa, encontravam-se três amigos. Eles eram muito diferentes um do outro, com personalidades fortes, mas gostavam de estar juntos, talvez porque se com­plementassem. Um era muito generoso, o outro era muito ingrato e o último era um conformado.

Quando viram o gênio, todos ficaram animados.
Lembravam-se das histórias infantis, nas quais o gênio sempre realizava três desejos. Imediatamente um deles perguntou:
- Gênio, O que você nos traz?
- Rosas! - disse o gênio.

Abriu seus braços e apareceram três belos bu­quês de rosas. Entregou um para cada homem e logo desapareceu. Os amigos se entreolharam, desapontados. Não compreenderam o presente.

Não demorou para cada um tomar o seu rumo e deixar a casa.
O ingrato foi o primeiro a sair; maldizendo sua falta de sorte. A primeira vez que encontra um gênio e a única coisa que ganha são umas rosas estúpidas. Jogou o buquê ali mesmo no caminho.
O conformado, embora desapontado com o presente, resolveu levar as flores para casa e as pôs num jarro.

O generoso, dono da casa, ficou feliz por ter encontrado um gênio e mais ainda por ter ganhado um presente. Saiu pela vizinhança distribuindo rosas. Estava tão contente com a possibilidade de partilhar seu presente com os outros que nem percebeu que as rosas nunca terminavam. Quanto mais distribuía, mais rosas apareciam em seus braços. Depois de al­gumas horas, voltou para casa, com um buquê muito maior; mais belo e perfumado do que o original.

No dia seguinte, os amigos se reuniram e comen­tavam o que havia acontecido no dia anterior. No­vamente o gênio aparece.
- O que você deseja? -perguntou um dos amigos.
- Eu desejo que as rosas de vocês se transformem em ouro! - respondeu o gênio.

O homem generoso olhou para trás e viu a sua casa cheia de ouro. Sobre a mesa, sobre o armário, no quarto... Por todo lugar havia ouro.
O conformado, ao regressar para sua casa, en­controu sobre a mesa um vaso cheio de ouro.
O ingrato até tentou voltar ao local onde havia jogado as rosas, mas ali não havia mais nada, alguém já tinha recolhido as rosas que se transformaram em ouro e ele ficou sem nada.

Para refletir:
As rosas da parábola podem simbolizar várias coisas em nossa vida. São a amizade, o amor, a ge­nerosidade, as virtudes etc.

Quando se trata desses belos gestos e sentimentos, quanto mais damos, mais recebemos em troca. O ingrato, que não valoriza seus amigos, sua família, seus dons, nunca vai desenvolvê-los. Vai acabar sem nada, solitário. O conformado, que não procura desenvolver seus dons, que não se preocupa em crescer, terá retribuição, mas sempre em pouca medida. Ficará nas relações superficiais, nas amizades formais. O generoso, no entanto, que não tem medo de entregar-se nas relações, que não tem medo de arriscar-se no aprimoramento de seus dons, que procura uma vida virtuosa, receberá tudo em dobro.

Pense nisso e mude sua atitude.

Darlei Zanon

maria tereza cichelli

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...